“Dia Mundial da Saúde” em tempos de corona vírus : refletir e agir para saber lidar 

Por Juliana Fleury

“A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade: só tem valor quando acaba”, escreveu nosso querido escritor João Guimarães Rosa, que era também médico e diplomata.

Como moradora do Rio de Janeiro, vi o novo ano começaraprendendo a lidar com a crise da água – nosso ouro azul. E quando ainda estava absorvendo a situação, vendo a enorme disputa pela compra de água mineral, fui engolida pela mais grave crise da saúde global, na contemporaneidade, a pandemia gerada pelo novo corona vírus. Com ela, o grande desafio foi aderir ao único remédio disponível no momento e, que igualou a todos: a imposição do isolamento social. Com ele, foi-se parte da minha liberdade.

Água de boa qualidade, saúde e liberdade. Como Rosa foi capaz de prever que nos fariam tanta falta? Nosso bemestar físico e mental estão, pela falta deles, comprometidos. Quando, em pleno século XXI, repletos de tecnologia com o advento da inteligência artificial, perdemos acesso a esses elementos essenciais para nossa saúde: água e liberdade, nos sentimos ameaçados e somos colocados, à força, a sentir e reconhecer o valor de ambos.

Hoje comemoramos os 70 anos do Dia Mundial da Saúde. Criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com objetivo de destacar a importância de ampliar a visão do mundo e de seus habitantes no que diz respeito ao que consiste em “estar saudável” e a “ter saúde”.

Estabelecido em 1948, apenas em 7 de abril de 1950 seu nascimento entrou para o calendário. A 2ª guerra mundial tinha sido superada há poucos anos, ao custo de 70 a 85 milhões de mortos, cerca de 3 % da população daquela época estimada em 2, 3 bilhões de habitantes. Havia, desde então, por parte dos 51 países que compunham a também recémcriada “Nações Unidas, hoje com 193 participantes, uma preocupação coletiva em preservar vidas humanas. Isso só seria possível evitandoconflitos e crises, e focando na promoção da saúde plena.

A despeito de ter uma única data para comemorar o Dia Mundial da Saúde, a cada ano a OMS estabelece um tema para ser trabalhado, dentro do contexto da saúde. Já tivemos o ano da segurança alimentar, da depressão, da saúde para todos e da cobertura universal de saúde. 2020 se tornou o ano de apoio aos trabalhadores da saúde, com foco nos profissionais de enfermagem: nas enfermeiras, já que 70% delas, no mundo, são mulheres e estão na linha de frente do combate do novo coronavírus, em busca de preservar vidas, com saúde.

Mas o que sabemos sobre o que é saúde?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) define saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença ou enfermidade”. Em 1948 quando o conceito foi definido, já trazia em si, uma abordagem interdisciplinar. Já estava claro que era essencial olhar o todo, o integral, nos mais diversos aspectos. se apontava ser preciso envolver a participação de diferentes setores da sociedade para que a população global atingisse sua saúde plena. Um desafio em 1948 e de custo imensurável nesse momento, quando somos cerca de 8 bilhões de habitantes. Vivendo a pandemia do novo coronavírus, entendemos cada vez mais, como indivíduos, que o “estado de completo bem-estar” é um permanente desafio, um sonhado equilíbrio, no dia a dia, entre todos os aspectos das nossas vidas.

Estamos num momento de quebra de paradigmas, desconstruindo conceitos, e não seria saudável ficar presos a eles. É fundamental entender o que trazem como reflexão e o que construímos a partir disto.

Sei que não estou sozinha nesse processo e, por isso, te convido neste Dia Mundial da Saúde a estarmos juntos em três atividades. Faça sozinho ou, se motivar, convide suas crianças, seus adolescentes, seus idosos, enfim sua família, se estiverem compartilhando o mesmo teto com o desafio de conciliar ambiente escolar e o mundo do trabalho:

1. Explorar o Conceito de Saúde no vídeo que a ASEC – Associação pela Saúde Emocional de Crianças (@asecbrasilong) desenvolveu para uso em suas atividades, baseado no conceito da OMS, e que compartilho aqui

2. Promover, após o vídeo, caso se sinta motivado(a) em ir adiante, duas reflexões:

O que era ter saúde para você, até algumas semanas atrás?

O que é estar saudável hoje, em tempos de pandemia?

Acredito que o processo de reflexão é mais importante do que as respostas em si. Estamos, como sociedade, acostumados anos exigir respostas para tudo, a controlar tudo. Estamos diante de um contexto onde não há respostas e o controle está no simples ato de nos privarmos do ir e vir, para salvar as nossas e muitas outras vidas. A “saúde”, nesse momento, está condicionada a não termos liberdade. É preciso aceitar o #ficaemcasa. Nos fixarmos em apenas buscar respostas pode ser uma trilha desagradável. Vamos certamente nos frustrar, desmotivar e adoecer. Ao passo que refletir pode ser apenas um exercício de abertura, que nos dá oportunidade para pensar sobre o que é realmente significativo para cada um de nós, em diferentes momentos.

3. Para finalizar, convido você a percorrer uma trilha voltada a para saúde emocional que postaremos também a seguir, focada no Promover para Prevenir em tempos de coronavirus. Ela se inicia no processo de exercitarprimeiramente o saber lidar com nossos sentimentos, identificando-os, acolhendo-os sem julgamentos. Em seguida,propõe fazer algo para se sentir melhor, sem nos prejudicar ou prejudicar aos outros. Identificar quem pode ajudar, quando você precisar e, saber que buscar ajuda, numa rede de apoiosegura, é fundamental não o diminui em nada. E se tudo estiver bem, se fazer útil para apoiar alguém é uma atividade que também promove saúde emocional.

Quando eu como cidadã fui demandada, de um dia para o outro, a lidar com a falta de água, em seguida com a falta de saúde e com a privação de liberdade, vi a importância de me conectar com o processo contínuo do promover minha saúde emocional para prevenir meu adoecimento, hoje e sempre, confiando de que tudo isso vai passar.

Sábio era Guimarães Rosa. “A água de boa qualidade é como a saúde ou a liberdade: só tem valor quando acaba”. E assim seguimos cuidando de nós, dos nossos, para cuidar dos outros e salvar-nos todos, testemunhando na história o Dia Mundial da Saúde 2020 regido pelo #FicaEmCasa e apoie nossos heróis da saúde.

876AD56B-1426-4A84-AA22-3CA2945737A5

Sou Juliana Fleury e lidero, desde 2018, a Associação pela Saúde Emocional de Crianças – ASEC, uma organização da sociedade civil, fundada por voluntários visionários do CVV. Quem em 2004 iria implementar uma ação para promover o exercício da vida plena, pensando no mundo do futuro? Atuamos, desde 2004, na promoção da saúde mental, emocional e social de crianças e adolescentes, capacitando adultos, educadores e famílias, em ambientes escolares e no mundo do trabalho, para desenvolverem habilidades para a vida, com base em metodologias ativas baseadas em evidências. A ASEC e sua equipe acredita que conectar o indivíduo a sua felicidade é promover o desenvolvimento de suas habilidades do “saber lidar” de forma positiva, consigo mesmo, com os outros e com os desafios da vida, para que possa exercer sua cidadania plena e ativa e faz disso sua missão para construir “Uma Sociedade Solidária e Feliz”, hoje e sempre.
Se quiser falar comigo meu e-mail é jufleury@asecbrasil.org.br.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: