Arquivo da tag: adolescência

Os desafios da adolescência e a promoção da saúde mental – contribuições do programa Passaporte: habilidades para a vida

Por Andréa Monteiro e Letícia Sato

Qual a imagem que nos vem à mente quando pensamos em “adolescência”? É comum ouvirmos frases como “é a pior fase da vida”, “são todos aborrecentes” e os sentimentos a eles associados, de uma certa repulsa e impaciência. Ao falarmos dos adolescentes parecemos estar falando de seres rebeldes, indisciplinados, raivosos, que tudo questionam e desafiam. Tornou-se comum também afirmar que esta seria uma fase de inevitável “crise”, uma vez que nela se vive a transição entre a infância e a vida adulta e, que neste embate de gerações, o conflito seria inevitável.

Será?

Atualmente se questiona a ideia de adolescência como fenômeno natural, com características universais, ao contrário do conceito de puberdade, este sim um fato biológico, marcado por transformações fisiológicas que caracterizam a transição entre a infância e a vida adulta. A adolescência, por seu turno, é reconhecida hoje como um fenômeno cultural, cujas definições estão marcadas pela forma como um determinado grupo encara estas transformações e como orienta seus jovens. Ou seja, o conjunto de valores e significados da sociedade em geral e da família podem tanto facilitar quanto dificultar esta transição [1].

Sabendo disso, podemos promover uma aproximação com os adolescentes (sempre no plural!) despidos de rótulos, de conceitos prévios, e abertos a ouvi-los, a conhecer suas reais necessidades. Pois, da mesma forma em que existem aqueles que atravessam esta fase de forma tranquila e sem maiores crises, há os que passam por conflitos e sofrimentos tortuosos.

Seja qual for a forma de lidar destes jovens, não se pode negar que o mundo atual os coloca em situações desafiadoras e difíceis, que exigem deles respostas que muitas vezes vão além daquilo que são capazes de pensar e realizar.

Eles se preocupam em inserir-se e fazer parte de grupos com os quais se identificam, mas precisam evitar se envolver em comportamentos de risco; eles precisam lidar com o crescente desejo sexual, ao mesmo tempo em que precisam saber regular suas emoções e lidar com as inevitáveis rejeições ou com o risco de gravidez; eles anseiam pela liberdade mas precisam aprender a carregar o “fardo” da consequente responsabilidade; eles desejam ser autônomos mas para isso precisam abrir mão da dependência e do conforto proporcionado pela família; eles desejam ser diferentes e ter seu próprio estilo, mas ao mesmo tempo precisam aguentar as provocações dos “iguais” e o bullying; eles querem ser adultos, mas não conseguem um emprego e não têm como manter-se sem ajuda dos pais.

Enfim, poderíamos ampliar esta lista para englobar as várias dificuldades vivenciadas por estes jovens que estão buscando construir sua própria identidade, ao mesmo tempo em que têm que dar conta ‘das realidades’ do mundo. E a pergunta que fica para nós adultos e educadores é: como ajudá-los a viver esta fase de modo menos traumático e mais harmonioso possível?

Ouvimos muito hoje sobre o aumento das taxas de suicídio, automutilação, depressão e comportamentos de risco e autodestrutivos associados a esta faixa etária. O foco parece estar sendo em encontrar os culpados, o que acaba gerando um clima geral de defensividade que nos impede de buscar e encontrar as reais causas dos problemas. Na realidade não existe apenas uma causa ou uma explicação possível para estes comportamentos. Eles são fruto de uma complexa rede de causas e condições, ademais respondem a necessidades internas que muitas vezes são muito difíceis de localizar e entender.

Estudos [2] apontam que o ser humano em geral age da melhor forma possível diante de situações que considera difíceis, baseado na melhor ‘avaliação’ que pode fazer destas situações e impulsionado pela emoção que elas lhe trazem. Isso não quer dizer que a “melhor forma” encontrada seja fruto de uma reflexão prévia, adequada socialmente ou a mais eficaz em termos de melhoria de seu estado íntimo ou da situação em si.  Em outras palavras, sempre estamos lidando com as dificuldades, de uma maneira ou de outra e muitas vezes nem percebemos as consequências de nossa forma de agir ou se elas funcionam da forma como gostaríamos.

Nesta perspectiva, lemos os comportamentos problemáticos e inquietantes dos jovens como a forma possível deles comunicarem seu estresse, na ausência de recursos internos que os ajudem a lidar de uma forma (mais) saudável e/ou na falta de uma rede de apoio onde possam encontrar acolhimento e apoio.

Atualmente, estamos imersos em uma “cultura de violência”[3] que permeia as relações sociais e cuja principal característica é a negação de necessidades fundamentais tais como reconhecimento, apoio, escuta e respeito mútuo [4]. Muitas vezes, atos de agressão a si e/ou ao outro podem ser a forma que os jovens encontraram para responder a um mal-estar não nomeado. Estudiosos inclusive apontam as condutas de risco dos adolescentes como maneiras ambivalentes de lançar um apelo às pessoas mais próximas, àquelas com quem eles contam e revelam uma necessidade interior de encontrar significado para seu estar no mundo[5].

Além disso, os jovens hoje encontram-se engolidos pela realidade virtual e pela ampliação das possibilidades de comunicação e de encontro entre aqueles que compartilham dos mesmos interesses. Isso lhes oferece oportunidades de se conectarem a causas, de compartilharem globalmente experiências similares e de se unirem de forma colaborativa a projetos, mas pode, ao mesmo tempo, ser altamente perigoso quando os interesses em comum são os sofrimentos e patologias (anorexia e suicídio, por exemplo) e quando fóruns são criados visando incentivar e mesmo ensinar práticas destrutivas. A cultura digital é, na realidade hoje, parte integrante da vida de qualquer adolescente, esteja ele onde estiver no mundo.

Diante disso, nos parece imperativo promover atitudes saudáveis, no mundo real e virtual, visando a promoção de ambientes com uma cultura de relacionamento em que se cultive a reciprocidade: verdadeiramente ouvir e ser ouvido, realmente ver e ser visto pelos outros. Sentir-se seguro com outras pessoas é essencial para a saúde mental. Precisamos que os jovens se familiarizem com seu mundo interno e saibam identificar o que os atemoriza, incomoda ou deleita. Identificar os próprios sentimentos, sintonizar com suas emoções e das pessoas a sua volta e desenvolver estratégias de adaptação para lidar com as reações emocionais – são formas de promover a chamada “educação emocional” que engloba as competências necessárias para vencer os desafios do século XXI, tais como o autoconhecimento, a autonomia, o protagonismo e a capacidade de se prevenir de comportamentos autodestrutivos, com consequências muitas vezes fatais[6].

Este é o foco do programa Passaporte: Habilidades para a Vida. Voltado para o público pré-adolescente[7], o programa está baseado em uma concepção de promoção de saúde mental que dá ênfase “às forças do indivíduo presentes antes das dificuldades acontecerem e de comportamentos não adaptativos se desenvolverem”[8].

Diferente de programas de caráter apenas preventivo que têm como alvo problemas específicos como uso de drogas e gravidez precoce, o programa Passaporte: Habilidades para a Vida atua na promoção e visa desenvolver habilidades que tornam os jovens mais bem equipados para lidar, com sucesso, com dificuldades do dia-a-dia. O que aumenta sua capacidade de adaptação no futuro e melhora sua autoestima, sentimento de competência e bem-estar geral, atuando de forma preventiva, ao mesmo tempo que evita uma gama maior de problemas[9].

Uma das habilidades fundamentais do programa, neste sentido, é a habilidade de buscar soluções, trazendo à consciência o maior número de estratégias para melhorar uma determinada situação ou para se sentir melhor em relação a ela, sem prejuízo para si ou para os demais.

Especialistas em suicídio apontam que é justamente a escassez de estratégias adaptativas que leva jovens e adultos a tentarem dar fim às suas vidas, uma vez que se sentem incapazes de lidar com situações difíceis[10].

No contexto do Passaporte: Habilidade para a Vida, os participantes não recebem, no entanto, orientação específica sobre quais estratégias são consideradas boas ou ruins.  Mas são estimulados a pensar criticamente, cabendo a eles antecipar as eventuais consequências de suas escolhas e reconhecer a responsabilidade de suas ações.

Este processo acontece ao longo de todo o programa, com apoio de metodologias ativas, que permitem que os participantes levantem o maior número de estratégias possíveis para determinadas situações, analisem cada uma das alternativas levantadas, tendo como premissa filtros que promovem a análise de consequências e prejuízo para si e para os outros e decidam pela melhor.

É o aprendizado, decorrente deste processo, que permite que os jovens tenham autonomia para encontrar soluções em momentos em que não podem compartilhar suas dúvidas ou dificuldades com alguém em quem confiem, como por exemplo em interações na internet e nas redes sociais. E ao mesmo tempo dá ao programa um caráter universal, na medida em que permite que os jovens tenham recursos para avaliar eles próprios as formas mais adequadas de lidar com suas dificuldades considerando características pessoais, pessoas envolvidas e seu contexto familiar e social.

Oferecido em escolas, Passaporte: Habilidades para a Vida está alinhado com diretrizes da Organização Mundial da Saúde que reconhecem o papel crucial das instituições escolares na ‘preparação das crianças para a vida’ e apontam o ensino de habilidades chaves tais como raciocínio crítico, comunicação, relações interpessoais e regulação emocional como forma de promover saúde mental em crianças e adolescentes[11].

Mais do que impactar trajetórias individuais, estudos apontam que ações voltadas para o desenvolvimento de habilidades emocionais e sociais, como autocontrole e resolução de conflitos, em escolas podem impactar positivamente a escola e a comunidade, diminuindo casos de violência nestes espaços[12].

Com efeito, programas de “Aprendizagem Emocional e Social” baseados em pesquisas, como o Passaporte: Habilidades para a Vida, se mostraram eficazes no desenvolvimento de ambientes de aprendizagem mais participativos, bem administrados, cooperativos, afetuosos e seguros. O que leva a uma maior ligação, engajamento e compromisso com a escola como o todo, melhorando o próprio desempenho acadêmico[13].

Dados das sucessivas avaliações do programa Passaporte: Habilidades para a Vida corroboram esta afirmação demonstrando seu impacto positivo no clima e ambiência da sala de aula. Professores observaram, por exemplo, que após participarem do programa os jovens passaram a lidar melhor com conflitos, exigindo menos suas intervenções. Além de relatarem que suas relações com os alunos se tornaram melhores e mais próximas[14].

Um fator importante para a obtenção destes resultados é, sem dúvidas, a capacitação dos professores, que além de fornecer fundamentos conceituais e metodológicos para o desenvolvimento do programa, busca sensibilizá-los para a criação e/ou manutenção de ambientes emocionalmente seguros, onde os jovens se sintam apoiados, respeitados e tenham oportunidade para colocar em prática as habilidades que estão aprendendo[15].

Tem sido unânime, em levantamentos qualitativos realizados no Brasil,[16] os relatos de professores que apontam que a capacitação e o desenvolvimento do programa com os jovens fornecem igualmente recursos para que eles próprios melhorem suas habilidades para lidar com emoções e situações difíceis, tanto no âmbito pessoal, quanto profissional. Mais eficazes ainda se mostram os resultados, quando a equipe gestora promove o alinhamento da filosofia do programa e reverbera o clima positivo e saudável, na escola como um todo.

Passaporte: Habilidades para a Vida vem se expandindo para diferentes países, sendo desenvolvido atualmente no Canadá, Bélgica e Brasil. Inspirado pelo programa internacional de promoção de saúde mental Amigos do Zippy , desenvolvido no início dos anos 2000, presente em cerca de 30 países do mundo e com mais de 1,8 milhão de crianças participantes até hoje[17] -, Passaporte: Habilidades para a Vida foi desenvolvido como parte de uma iniciativa em promoção de saúde mental para crianças financiada pela Agência Nacional de Saúde do Canadá. E é resultado de um rigoroso processo de avaliação e aperfeiçoamentos sucessivos realizados ao longo de cinco anos[18].

O programa tem como eixo condutor uma história em quadrinhos, onde acontecem situações comuns à jovens em diferentes contextos sociais. A partir das histórias, são desenvolvidas atividades lúdicas que permitem que os jovens identifiquem dificuldades relacionadas ao tema da aula em suas próprias vidas e busquem coletivamente estratégias de enfrentamento. Em diversas sessões, os participantes são convidados a preencher no encerramento o seu “passaporte”, fazendo um registro daquelas estratégias que consideram mais úteis para si – seja no presente ou no futuro.  O que contribui para que os jovens construam, pouco a pouco, um repertório de estratégias de adaptação como parte de sua própria identidade, daí o passaporte, um documento de identificação, ter sido escolhido para dar nome ao programa.

O programa está estruturado em cinco módulos que abordam os seguintes temas: emoções, relacionamentos, situações difíceis, injustiças, mudanças e perdas. E seus objetivos incluem: ampliar o repertório de estratégias dos jovens para lidar com dificuldades do dia a dia; melhorar suas habilidades sociais, incluindo expressão e regulação emocional, resolução de conflitos e controle do estresse; encorajar a cooperação e o apoio mútuo; estimular o pensamento crítico e promover o bem-estar emocional[19].

mensagens-de-amizade-730x383

Vale apontar que todas as atividades do programa têm caráter cooperativo e os jovens são incentivados a oferecer e pedir ajuda sempre que preciso: habilidades que representam fatores de proteção importantes no campo da saúde mental.

As avaliações do Passaporte: Habilidades para a Vida apontaram que o programa impacta positivamente também o contexto familiar, por meio de atividades oferecidas a cada módulo para serem realizadas em casa. Considerando as mudanças características da adolescência e os fatores de risco envolvidos que mencionamos anteriormente, é frequente que esta fase represente um período estressante para os pais, dificultando o diálogo.

De acordo com pais participantes das avaliações, no entanto, as atividades permitiram abrir o diálogo e discutir temas importantes em família. Alguns jovens aproveitaram a oportunidade para denunciar situações de bullying em que estavam envolvidas[20]. O que reforça as contribuições do programa para a criação de ambientes de apoio para os jovens – dentro e fora da escola.

No Brasil, o programa Passaporte: Habilidade para a Vida, conta com a expertise pioneira da Associação pela Saúde Emocional de Crianças – ASEC, que há 14 anos implementa projetos e programas com o propósito de promover a saúde mental de crianças, jovens e adultos tendo como eixo principal a ampliação de recursos internos ou, em outros termos, o que a educação define como desenvolvimento das habilidades socioemocionais com a construção de ambientes em que as relações sejam de cooperação, acolhimento e apoio mútuo.

A atuação da ASEC se faz baseada em 2 pilares: as metodologias dos programas Amigos do Zippy, Amigos do Zippy em Casa, Amigos do Maçã e Passaporte: Habilidades para a Vida, todos de cunho universal, baseados em pesquisa, validados e implementados em mais de 30 países; e a metodologia de formação de profissionais (educadores, professores e assistentes sociais) desenvolvida pela própria ASEC e validada pelo MEC no “Guia de Tecnologias Educacionais da educação integral e de tempo integral”, desde 2013, no eixo dos Direitos Humanos e Promoção da Saúde. A cultura da organização sorve na fonte da filosofia dos programas e nos valores trazidos do CVV (Centro de Valorização da Vida), por seus fundadores, voluntários da organização irmã, que atua no Brasil há 56 anos.

A ASEC acredita que a escola é o ambiente chave influenciador da saúde e bem-estar e trabalha no sentido de expandir o repertório, das crianças e adolescentes, de habilidades úteis para lidar com dificuldades e problemas estressantes que encontram em sua vida diária, incluindo relacionamentos com colegas e pais[21].

Mas as contribuições do programa Passaporte e os benefícios promoção da saúde mental estão restritos ao contexto da educação ?

A habilidade que impacta na melhora dos níveis concentração do aluno, tão importante para processo ensino aprendizagem é a mesma habilidade que fortalece emocionalmente o jovem para lidar positivamente com conflitos de ordem emocional, impactando concomitantemente na área da Educação e da Saúde. A habilidade de fazer escolhas adequadas é igualmente importante na área da educação, através da responsabilidade assumida desenvolvida a partir  da capacidade de fazer boas escolhas impactando também na área da segurança publica. Reduzir os índices de jovens, no uso abusivo de álcool, drogas, na criminalidade pode se dar através dessa mesma habilidade desenvolvida. Assim como a habilidade de relacionar-se de forma saudável é de fundamental importância para boa convivência entre as pessoas, para desenvolvimento da cidadania plena, da promoção da garantia dos direitos, pilares da Assistência Social e da Segurança Pública.[22]

Portanto, promover saúde mental é responsabilidade de todos, não  apenas da educação, embora seja a educação o caminho mais adequado para desenvolvimento das habilidades que a promove.

Este é o caminho por meio do qual a ASEC pretende contribuir. Seu propósito é trabalhar para que no Brasil, toda criança e adolescente possa se fortalecer com ferramentas para manter sua saúde mental, para responder de forma adequada aos desafios atuais, no mundo real e virtual, e, consequentemente, impactar positivamente sua realidade e ajudar a promover sua visão: “Uma sociedade solidária e feliz”.  

 

Bibliografia empregada:

[1] CERQUEIRA-SANTOS, E. et al. 2014. Adolescentes e adolescências in  HABIGZANG, L. F. et al. Trabalhando com adolescentes: Teoria e intervenção psicológica. Porto Alegre, RS: Artmed.

[2] Baseados, entre outros, no trabalho de Richard Lazarus, importante pesquisador da área de estresse e promoção de saúde mental (vide LAZARUS, R. S. 1999. Stress and emotion: a new synthesis. Springer Publishing Company, Inc).

[3] CALIMAN, G. (org). 2013. Violência e direitos humanos: espaços da educação.  Liber Livro.

[4] CASASSUS, J. 2009. Fundamentos da educação emocional. Brasília: UNESCO, Liber Livro.

[5] LE BRETON, D. 2012. O risco deliberado: sobre o sofrimento dos adolescentes. Revista Política e Trabalho, Revista de Ciências Sociais, João Pessoa, n. 37, p. 33-44,  out.

[6] VAN DER KOLK, B. A. 2014. The Body Keeps the Score: Brain, Mind, and Body in the Healing of Trauma. New York: Viking.

[7] Após ser testado e aprimorado ao longo de cinco anos, o programa foi implementado no Canadá para a faixa etária de 9 a 11 anos. No Brasil, um estudo piloto do programa, desenvolvido com mais de 700 crianças e jovens de diferentes cidades, indicou que a faixa etária mais adequada ao nosso contexto escolar corresponde ao 6º ano do Ensino Fundamental (10-11 anos).

[8] MISHARA, B. E DUFOUR, S. 2018. Randomized Control Study of the Implementation and Effects os a New Mental Health Promotion Programme to Improve Coping Skills in 9 to 11 Year Old Children: Passport: Skills for life. Artigo no prelo.

[9] Mishara e Dufour, 2018 e Mishara, B. s/ data. O conceito de ´coping´. Material não publicado.

[10] Bale, Chris. 2003. Early start to suicide prevention: children´s programme shows promising results. Suicidologi. Arg.8. Nr.2.

[11] Organização Mundial da Saúde. 2001. Relatório sobre a Saúde no Mundo – Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. Disponível em: https://www.dgs.pt/documentos-e-publicacoes/relatorio-mundial-da-saude-2001–saude-mental-nova-concepcao-nova-esperanca.aspx. Acessado em agosto de 2018.

[12] Cerqueira, D. 2016. Trajetórias individuais, criminalidade e o papel da educação. Boletim de Análise Político-Institucional, n°. 9, jan-jun, pp. 27-35.

[13] Clarke, A. e Barry, M. s/ data. The link between Social and Emotional Learning and Academic Achievement. Disponível em: http://www.partnershipforchildren.org.uk/uploads/AcademicAchievement.pdf.pdf. Acessado em setembro de 2018.

[14] Mishara e Dufour, 2018.

[15] Vale ressaltar que a Metodologia de Capacitação de Professores da ASEC é reconhecida pelo MEC em seu Guia de Tecnologias Educacionais da Educação Integral e Integrada e da Articulação da Escola com seu Território 2013/MEC.

[16]  A ASEC realiza avaliações sistemáticas com os professores que desenvolvem seus programas, que incluem questões relacionadas ao desenvolvimento dos alunos e ao impacto dos programas no seu desenvolvimento pessoal e profissional.

[17] A ASEC possui representação exclusiva no Brasil para a implementação dos programas Amigos do Zippy, voltado para crianças de 6-7 anos, e Passaporte: Habilidades para a Vida para adolescentes a partir de 11 anos.

[18] Mishara, B. e Dufour, S. 2018.

[19] Centre for Research and Intervention on Suicide, Ethical Issues and End-of-Life Practices (CRISE) . Passport: skills for life. Em: http://www.passeportsequiperpourlavie.ca. Consultado em agosto de 2018.

[20] Mishara e Dufour, 2018.

[21] Idem nota 18.

[22] Argumentos  corroborados em estudos do economista James Hackeman e de Daniel Cerqueira do IPEA em “Trajetórias individuais, criminalidade e o papel da educação”

AndreaMonteiroAndréa Câmara Monteiro é graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialista em Psicopedagogia pela FAE Centro Universitário e Mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública – Fundação Oswaldo Cruz. Foi coordenadora regional do Núcleo Paraná da Associação pela Saúde Emocional de Crianças (ASEC), e atualmente é monitora certificada desta instituição, atuando na capacitação de professores para programas internacionais de desenvolvimento de habilidades socioemocionais de crianças e jovens, além de facilitadora de cursos de educação emocional para profissionais da educação há oito anos.

 

 

Letícia SatoLeticia de Paiva Rothen Sato é graduada em Ciências Sociais (2000), pela UFPR,  especialista em Intervenção Cognitiva e Aprendizagem Mediada pelo CDCP (2014), mestre em Antropologia Social (2003) e especialista em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento (2004) pela UFPR. Atuou em sua vida profissional como pesquisadora e docente e por cinco anos foi coordenadora regional da ONG ASEC (Associação pela Saúde Emocional de Crianças), responsável por programas de promoção de saúde mental. Atualmente é mãe de três, experiência que transcende e mesmo supera toda sua formação profissional e acadêmica.

 

 

Adolescência, período difícil ou de oportunidades para o desenvolvimento?

girl-676185_960_720

Por: Angelina Pandita Pereira

A transição da infância para a vida adulta é um período marcado por muitas mudanças, tanto físicas quanto psicológicas e sociais, as quais dependem do contexto social em que cada sujeito está inserido[1]. Na atualidade, chamamos este período de adolescência, por vezes dividida em pré-adolescência, adolescência e juventude. Neste texto nos referiremos às mudanças características do início da adolescência, tendo como referência os 11 anos de idade, entendendo que esta marca etária pode ter muitas variações.

No que se refere às mudanças físicas, um marco importante é a puberdade, em que há o aumento significativo da produção de determinados hormônios, que culminam, dentre outras coisas, no amadurecimento dos órgãos sexuais, crescimento de pelos, aumento da oleosidade (e o consequente aparecimento das espinhas) e crescimento acelerado do corpo. Neste período o corpo muda, sendo que as meninas vivem sua primeira menstruação e veem seu corpo adquirir novas curvas. Nos meninos inicia a produção do esperma e há mudanças no tom da voz, que se torna mais grave. Como cada parte do corpo segue diferentes ritmos de desenvolvimento, algumas partes podem ficar fora de proporção por algum tempo, deixando os adolescentes “desajeitados” (MARTORELL, 2014).

A adolescência é ainda um período de reconhecimento da identidade e orientação sexual (como me identifico e por quem me atraio são questões que permeiam a vivência do adolescente), período no qual muitas vezes ocorrem os primeiros relacionamentos amorosos.

Ainda, este período é acompanhado de uma série de expectativas e cobranças sociais por mais responsabilidade e independência. Um exemplo disso são as mudanças vividas na transição do 5° para o 6° ano escolar, em que os adolescentes passam de ter um professor como sua principal referência na escola para ter diversas matérias e professores, o que lhes exige maior responsabilidade e autocontrole de seu comportamento, seja para lidar com as diferenças no perfil dos professores, seja para lidar com o necessário aprofundamento em cada conteúdo escolar.

Neste momento da vida as exigências sociais podem parecer bastante ambíguas aos adolescentes, uma vez que não são mais crianças, mas também não são adultos, e ora são considerados muito novos para realizar algumas coisas (“você é muito novo para isso”) e ora são considerados muito velhos para terem determinados comportamentos (“você não é mais criança”, ou “você já é bem grandinho pra isso”).

Todas estas mudanças desencadeiam um período de experimentação em que o modelo e a aprovação do grupo de pares é mais importante do que de autoridades como pais e professores (ELKONIN, 1969). Assim, a relação com os amigos passa a ter um papel central no desenvolvimento dos adolescentes, o que pode se tornar um fator de proteção, mas também um fator de pressão para assumir determinados comportamentos. Na atualidade, por vezes, esta pressão se intensifica pela influência da mídia e das redes sociais.

Assim, este é um período em que o adolescente está se ajustando a muitas mudanças do seu corpo e das relações nas quais está inserido. Isso suscita muitos sentimentos, quepodem ser desencadeadores de estresse, frustrações e conflitos com os outros e consigo mesmo. Os adolescentes são colocados, diariamente, frente a escolhas de como lidar com tudo isso que vivenciam. Ficam as perguntas: Como podemos contribuir para que os adolescentes façam escolhas que não prejudiquem nem a eles nem aos outros? Como promover o desenvolvimento de uma identidade autônoma em nossos adolescentes?

Como já vinhamos discutindo no blog, um dos caminhos é a educação emocional e social. Reconhecer os próprios sentimentos, buscar um amplo leque de estratégias para lidar com os mesmos, contar com os amigos e também ser um apoio para eles, além de desenvolver estratégias para realizar boas escolhas empodera o sujeito para lidar com os desafios que surgem na vida. A adolescência, enquanto um período de descoberta e consolidação da identidade, é bastante propícia para este aprendizado acontecer. Programas estruturados, como o Passaporte: Habilidades para a Vida, podem ser valiosos aliados neste processo. Vamos juntos, facilitar o desenvolvimento emocional e social dos adolescentes?

[1]Quando falamos em desenvolvimento humano é preciso antes de tudo considerar que este desenvolvimento se dá frente a condições históricas e sociais que as condicionam. Assim, na história da humanidade, a existência de uma fase nomeada como adolescência é recente. Áries (1978) esclarece que até o século XVIII a concepção de adolescência não existia e, na concepção social, o sujeito passava da infância diretamente à fase adulta. Ainda, as experiências que caracterizam a adolescência na atualidade também dependerão do contexto e da posição social que cada sujeito ocupa. Falar de um adolescente de classe média alta é muito diferente de falar de um adolescente trabalhador. As vivências que cada um experimenta e as cobranças sociais que a eles são feitas divergem e são desiguais. Como falar de adolescência para um sujeito que com 11 anos já é arrimo de família e em muitos aspectos experimenta as cobranças que são feitas aos adultos? Assim, quando falamos de períodos do desenvolvimento humano é preciso considerar que fazemos uma generalização em relação àquilo que é esperado socialmente para um determinado período, mas não podemos nos esquecer que no contato com cada sujeito, ou cada grupo social, é preciso considerar suas especificidades.

 

Referências

Ariès, P. História Social da Criança e da Família. Rio de. Janeiro: Zabar Editores,1978.

ELKONIN, D. Desarrollo psiquico de los escolares. In: SMIRNOV, A. A. et al. Psicologia. Mexico: Grijalbo, 1969. p. 523 – 560.

MARTORELL, G. O desenvolvimento da criança: do nascimento à adolescência. Porto Alegre: AMGH, 2014, p. 275-329.

 

10453112_761054930674616_1021802971001751769_n

Angelina Pandita Pereira

Psicóloga e Professora de Psicologia. Doutora e Mestre em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP). Docente na Universidade Anhembi-Morumbi, e anteriormente nas Faculdades Integradas de Guarulhos. Atuou como monitora na Associação pela Saúde Emocional de Crianças.