Tempo e a angústia de não saber como lidar com ele. 

Tempo e a angústia de não saber como lidar com ele. 

Por Miriam Lamana

Será que estamos sem tempo ou sem foco? Sem tempo ou com dificuldade em fazer escolhas e priorizar o que é importante neste momento para construir o passo seguinte? 

Pulitzer Nicholas Carr, em seu livro best-seller The Shallows, destaca que: “Em um mundo saturado de dados, o excesso de informações disponibilizadas na internet vem prejudicando nossa capacidade de reter conhecimentos, tornando-nos rasos e superficiais.” 
Temos hoje bilhões de Bites de informações que estão a um clique da maior parte das pessoas, com respostas rápidas para diversos questionamentos. Respostas são importantes, mas elas são o fim daquilo que se busca. Os questionamentos, por outro lado, são as centelhas que acendem o espírito humano desde o início dos tempos, gerando o conhecimento.
Vivemos o paradoxo da falta de tempo e da “angústia” ao tê-lo de sobra, pois nossa mente foi treinada para permanecer atolada em tarefas.  

Passamos muitas horas na vida olhando para trás e para o que ainda não existe, e nos descuidamos do PRESENTE. 

Talvez um dos segredos da saúde física, mental, emocional e espiritual, esteja na forma como se lida com o tempo. Não lamentando o passado, não preocupando-se excessivamente com o futuro, não se adiantando aos problemas, mas vivendo sábia e seriamente o presente, tendo o passado como referência e o futuro como moradia.
Cuidar para que as incertezas com relação ao futuro não nos façam, equivocadamente, buscarmos certezas no que é conhecido para não reconhecermos a própria vulnerabilidade.
Nos mantermos atentos e capazes de discernir para o crescente apelo ao culto do TER, sobrepondo-se, ao SER. 

“Você não paga as coisas que você ambiciona com dinheiro. Você paga as coisas que você ambiciona com o tempo. O tempo de vida que você gasta para ter aquele dinheiro.” 

Entender a forma como vivemos, a nossa relação com as coisas, as pessoas, os lugares e com o TEMPO, é crucial para não sermos atropelados. 

Como você tem usado o seu tempo? Para onde está indo e onde precisa colocar sua atenção agora? 

Miriam

Miriam  Lamana, Psicóloga com mais de 28 anos de vivência em organizações, com MBA em Gestão e Finanças e especializações em Coaching e desenvolvimento humano. 

Na ASEC desde 2012, como monitora na capacitação de professores no desenvolvimento de competências socioemocionais e na coordenação das atividades em São Paulo. 

Contato: miriam.lamana@asecbrasil.org.br 

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: